quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Dinheiro público para quem comete ilícito é também uma ilicitude.

Enfim um pouco de lucidez no judiciário brasileiro! A declaração do presidente do Superior Tribunal Federal a respeito do financiamento público de movimentos que promovem invasões em terras me fazem crer que existe vida em Brasília, mesmo que seja só uma fagulha de vida. Eu não sou obrigado a sustentar um movimento que não respeita o direito à propriedade nem busca o diálogo, só o monólogo. Como todo movimento dito de esquerda neste país, eles se julgam os detentores da verdade, os donos da ética e os únicos capazes de solucionar as mazelas da sociedade.

Nenhum comentário: